segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Estratégia ruralista

Não é a primeira vez que o Código Florestal Brasileiro entra na mira das moto-serras ruralistas. Desta vez, no entanto, a estratégia conta com algumas novas nuances sutis para o convencimento da população comum: a primeira delas, os ruralistas não se autoentitulam ruralistas mais. Se descrevem como "produtores de alimentos" e usam a mais velha e manjada justificativa para a barbaridade que estão propondo: acabar com a fome no mundo! Que bonzinhos!
Já é hora, no entanto, da sociedade, que na esperança desse feito permitiu outras barbaridades no passado, parar de ter esperanças e começar a cobrar: a revolução verde (uso de inseticidas e herbicidas) foi justificada pela promessa de alimentar a todos no globo. A aprovação das sementes transgênicas também. No entanto, APESAR da quantidade de veneno que a gente come todo dia e das culturas geneticamente modificadas, o mundo continua, em sua maioria, faminto. Ao mesmo tempo, a produção mundial atual poderia alimentar mais de 9 bilhões de habitantes segundo a FAO (Órgão das Nações Unidas sobre Agricultura e Alimentação), ou seja, uma vez e meia a população global!
Por que o discurso ruralista continua pegando? Porque eles fazem associações erradas e misturam causas com consequências, e ajudados pelo baixo nível crítico da população, dão uma explicação simples para um problema complexo.
É preciso que o desmascaramento do discurso ruralista se faça de forma ampla e massificada para mantermos a legislação ambiental brasileira intacta hoje e quando eles retomarem os ataques no futuro.

Um comentário:

Viviane disse...

Concordo em gênero, número e grau, mas vou além desta dualidade, acredito que os próprios tecnicos/políticos que elaboraram e aprovaram o código florestal não deviam ter idéia do quão difícil seria faze-lo cumprir.
Aliado a isso, a responsabilidade individual e coletiva é algo ainda utópico para a sociedade atual, haja visto que qq pessoa é mais motivada a juntar R$5.000,00 pra comprar uma TV LCD de 42" do que usar este dinheiro para consumir em um ano produtos orgânicos e com certificação florestal (assim como outros do gênero, roupas, móveis, combustíveis...).